quarta-feira, 18 de maio de 2011

Espelho, espelho meu...

Todas as noites, antes de dormir, Sophia costuma conversar sobre coisas que aconteceram durante o dia. Geralmente são coisas pequenas. Porém noto que nestas conversas é que ela me conta o que realmente lhe é importante. Por exemplo, antes do Natal conversamos muito sobre o papai noel. Desde o dia do livro do pirata, quando começamos a ler a Bíblia ela me pergunta sempre por Jesus, Deus e muitas outras perguntas filosóficas.
E agora, durantes estas nossas conversas, tenho notado algumas vezes o ciúminho em relação à irmã.
Tudo começou durante a nossa ida à feira, no sábado. Neste dia, ao contrário do que é normal aqui na Alemanha, muitas pessoas vieram dar uma olhadinha no carrinho, para espiar a Helena. E foram vários elogios. A Sophia sempre ficava do lado, toda orgulhosa, falando que ela era a irmã mais velha. No sábado à tarde ela também ficou me perguntando porque eu sempre pegava a Helena no colo para ela dormir. Eu só respondi que nenéns gostam de serem embalados e ela ficou satisfeita com a resposta.
Mas aí, à noite, vieram duas perguntas que me surpreenderam mesmo. Ela primeiro me pediu para pegá-la no colo, pois disse que queria dormir assim. Peguei e estávamos lá, abraçadinhas, quando ela me perguntou: mamãe, quando eu era pequenininha, como a Helena, você também me pegava no colo para eu dormir? Aí disse que sim, claro, que eu pegava um montão e que até hoje ainda adoro pegá-la no colo. Que era só pedir que eu faria.
Depois ela me perguntou: mamãe, quando eu era pequena eu também era bonitinha como a Helena? Nossa, isso me partiu o coração! Fico imaginando como a Sophia na sua cabecinha fica se comparando à irmã e talvez pensando que não é tão amada ou querida... Que tristeza!

Definitivamente tenho que passar mais tempo só com ela...

6 comentários:

Rodrigo disse...

Daqui uns dias terá a vovó para ajudar nas conversas filosóficas hehehe,bjao irma

Simone disse...

Ah gente! Eu quero pegar ela no colooo. rsrs

A gente fica com o coração apertado sim, mas acho que faz parte né, Karen? O legal é que você explica pra ela tudo o que é perguntado e assim ela fica mais confiante pois acredita em você.

Bonitinha demais viu?

Bjs!!

Alessandra disse...

Essas inseguranças de nossas "big daugthers" matam a gente de dó, né... A Glorinha ainda tem seus momentos de crise existencial.
Mas acho que o caminho é bem esse: responder com amor e ir reafirmando a auto-estima delas.
Conseguir passar um tempo só com ela também é ótimo - porque no final das contas, a gente acaba ficando beeeem menos com as mais velhas do que antes, né. Dizem que isso é até saudável, mas claro que elas são novinhas demais para entender isso...
Beijo!

Camilla Brandel disse...

Poxa, que dureza. Eu também fiquei com vontade de dar um abraço na Sophia, pegar no colo... Senta com ela, pega fotos de quando ela era bebezinha e mostra como ela era bonitinha. :)
Beijo!

Alessandra disse...

Bem lembrado, Lica. Fotos são uma excelente idéia! EU mostrei muuuuuuuuitas da Glorinha bebê para "relembra-la" de sua beleza.

Fabiana disse...

Lá em casa rola essa dor também... e, pior, a Júlia já pesa 30kg então eu não consigo mais dar colo. Ela fala diversas vezes em como queria ser a irmã. Pricipalmente quando estou com Joana no colo ou amamentando. Seu post me fez perceber que eu tenho que "cuidar" mais desse denguinho (da falta dele...).
Beijos
Fabiana
http://2-ao-quadrado.blogspot.com