quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Dor é natural - Parte 2


 Resolvi que não iria ser uma resignada com tosse e falta de ar. Na segunda-feira acabou não dando certo de ir ao pneumologista: a minha amiga Vi ligou para a clínica que ela conhece, explicou a situação toda, implorou, mas não teve jeito. Na segunda eles não conseguiriam me encaixar de jeito nenhum e pediram para eu ir na terça bem cedo. Ou seja, tive uma segunda-feira horrorosa. Tossia, tossia, tossia, não conseguia nem falar ao telefone direito e comecei a sentir dor de garganta e de ouvido.
Mas estava me sentindo tão fraca e até mesmo um pouco desorientada (provavelmente pela privação de sono) que liguei para o maridão, pedindo para buscar a Sophia na escolinha (o que normalmente eu sempre faço).

Maridão ficou preocupado, afinal se eu estava pedindo para ele, era porque a situação estava feia mesmo.
Pausa: É que eu adoro buscar a princesinha, não tem coisa mais gratificante do que ver aquele sorrisão dela se abrindo ao me ver, vê-la correndo em minha direção para me dar aquele abraço! E ela ainda fala coisas super fofas, como "que bom que você chegou", ou conta toda exibida para as outras crianças: "é a MINHA mamãe", como se realmente não tivesse mãe igual no mundo. É lindo! Fim da pausa.

Então ele saiu do trabalho, no meio da tarde mesmo e decidiu que tinhamos que ir pelo menos a um otorrino, para checar o ouvido e a garganta. A médica foi super prestativa, examinou tudo o que tinha direito e chegou à conclusão que estava sentindo a garganta pela tosse excessiva e que o ouvido estava com muita cera (eca!) e a pressão da mesma é que estava causando o meu desconforto.
Ela fez um ultrassom das fossas nasais, enfiou um caninho na minha garganta e no nariz, ou seja, não se fez de rogada para dizer que o problema era realmente pulmonar e como é que eles tinha me deixado ir embora do hospital sem me dar uma medicação adequada. Comentário literal dela: "mas você já estava respirando deste jeito? Chiando assim?" E eu, só no: pois é, né?....

Confesso que fiquei feliz com este comentário dela :-) Pois era uma prova de que eu não estava ficando louca. E que tinha um problema a tratar. A médica sugeriu que eu fosse realmente ao pneumologista no dia seguinte, mas como já estava um pouco tarde (umas 5 horas) disse que eu, na verdade, deveria voltar ao hospital para ser medicada ainda naquela noite. E me deu uma guia de internação.

Nós até chegamos a ir ao hospital.
Pausa: Sophia me pergunta toda feliz: "É agora que vai nascer a minha irmãzinha, mamãe?"
Ela é um doce, não é??? Fim da pausa.
Mas ao (re)ver aquele lugar, aquelas pessoas e ao recordar como eu não fui ajudada por ali, nem 48 horas antes, resolvi ir pra casa. Passar mais uma noite horrível.

Depois da noite terrível fui ontem, finalmente, ao especialista. Que disse que a) eu estava com bronquite asmática, b) que o pessoal do hospital devia estar delirando ao me mandar pra casa sem me dar ao menos algo para fazer inalação (!!!!) e c) que minha capacidade respiratória estava péssima. Resultado: receitou dois preparados para fazer inalação e mais duas "bombinhas" de asma diferentes. E me disse que vou ter que fazer um tratamento a longo prazo. Vou ter que ficar inalando até mesmo depois do parto e vou ter que ficar voltando à clínica dela semanalmente...

Não vou dizer que já sarei. Mas estou me sentindo melhor, sim. Não estou mais chiando tanto e os ataques de tosse estão menos frequentes. Esta noite ainda dormi mal, mas uma leve insônia na gravidez também faz parte, não?

Vejamos como será a noite de hoje...

3 comentários:

Camilla disse...

Nossa, que horror!! Realmente o tratamento que te deram no hospital foi terrível, hein? Só porque você tá grávida ficam achando que todo sintoma que você tem é "frescura"?
Bom, pelo menos agora já tá melhorando. Espero que até o parto você já esteja bem, senão vai ser dureza, né? Quer dizer, mais dureza ainda.

Regina disse...

Que horror isso! Realmente um absurdo!! Ainda bem que você está melhorando, mas imagino como foi difícil, afinal de contas, tosse já é uma coisa muuuuuuuuuito ruim, mas tosse na 37ª semana de gestação deve ser realmente insuportável!! Mais melhoras para você, cuide-se e que Deus te abençoe. Muitos beijos da tia que está beeeeeeem preocupada.

Alessandra disse...

Que bom que a inalação está fazendo efeito. Eu confesso que, pelo que eu me lembre, a única vez que fiz inalação foi justamente após o parto da Alice. (Assim como algumas pessoas não acreditam em duendes, eu não acreditava em inalação). Como eu disse no Face, a tosse que todo mundo dizia que ia passar com o parto não passou e tudo ficou muito, muito complicado... tanto é que fiz inalação religiosamente. Não melhorou muito e fui também a uma pneumo. Enfim... fim de gravidez é difícil pra todo mundo, mas não dá pra ficar se conformando com situações inaceitáveis, né. Sem comentários para os médicos do hospital - parece SUS!